domingo

hard core...

... é uma reportagem da EPS, a revista do El País (18/02/07), sobre
onde se garante que "La culpa por experimentar deseo ha muerto y en su lugar se ha instalado el hedonismo. Amor y pasión se han divorciado".
[Assim, de repente, não podia estar mais de acordo...]

sábado

ella



[bebe]

o braço de ferro entre a humanidade e a natureza

uma grande mulher escreveu um acutilante post, sobre o que está a desgraçar-nos a vida sem darmos conta. este aqui

quinta-feira

this is how it works
you're young until you're not
you love until you don't
you try until you can't
you laugh until you cry
you cry until you laugh
and everyone must breathe
until their dying breath
this is how it works
you peer inside yourself
you take the things you like
and try to love the things you took
and then you take that love you made
and stick it into some--
someone else's heart
pumping someone else's blood
and walking arm in arm
you hope it don't get harmed
but even if it does
you'll just do it all again

[on the radio]

quarta-feira

as Oscar Wilde said
I love talk about nothing. It's the only thing I know anything about.

segunda-feira

o dia seguinte




vazio*

(...)sei como isto se cura. porque para todas as maleitas há um remédio - a questão é acertar com ele; às vezes nem é dispendioso, nem está longe, nem é assim tão surpreendente. mas um remédio, quando se sofre, é o bálsamo que qualquer alma merece. pode cozinhar-se com pouca coisa: dias de solidão extrema, um silêncio sepulcral, uma névoa dos céus, o vazio no pensamento, parcas rações, menor disposição para o trabalho e vagas utopias. conquanto isso resolva o problema, de forma rápida e tão indolor quanto possível, ... até que há quem passe bem pior! alegremo-nos pois!, nem com programas de tevê, nem com romances dos que nos sequestram na leitura até ao fim, mas com o vazio absoluto, o não ter nada, não desejar nada, não pensar nada se possível.
é, todavia, difícil sobreviver assim porque nenhum capítulo desta bula nos diz como se doseiam as emoções, afinal o princípio e o fim de tudo.
no ar fica a sensação do início do caminho. fazes apelo ao positivismo, dizes que será algo melhor - até porque vivemos com pouco, desejamos pouco, consumimos pouco, mas temos muitos sonhos, e não trapaceamos nada...
[os que não acreditam que um ente superior determina a sua vida só podem crer em si, pelo que amanhã será o que começares hoje]

* in
//icebergueaderiva.blogspot.com

sábado

porque hoje é sábado*

Charo Izquierdo é a directora de Yo Donna del Siglo XXI, revista do jornal El Mundo. O sr. António é quem me vende o jornal com a revista todos os sábados, e faz do seu estabelecimento um pequeno mundo de 'intangíveis' que negoceia como se só tivesse produtos de valor acrescentado - que é o que são os jornais e as revistas. Charo escreve editoriais como nenhuma directora - devo acrescentar, adjunta? - em Portugal escreve: relaciona assuntos, documenta-se, pega num tema pelo lado menos óbvio e mais 'lúdico', e nunca se esquece de fazer o ponto da situação da violência sobre as mulheres.
Charo e António não se conhecem, mas são provavelmente os dois óptimas pessoas. Fazem o que gostam. E fazem-no bem. Acrescentam o meu sábado.

(Yo Donna traz hoje uma entrevista com a refugiada africana que é hoje ministra sueca da Integração, realizada por uma enviada especial da revista. A capa é a bela Kate Winslet (na foto) e o editorial parte da peça Closer para falar dos Casais Sec. XXI...)


*título emprestado de um belo texto do grande Vinicius de Moraes.