quarta-feira

dias concentracionários

hoje há mais uma pessoa feliz na cidade à minha custa: vandalizou-me o carro (excepcionalmente resolvi prescindir do transporte público).
hoje também, um calor insuportável irrompeu pelo termómetro acima, e quando estava para lá dos trinta, quase que tive saudades da chuva.
hoje ainda, entraram-me amigos e conhecidos aos molhos no facebook, onde eu nunca tinha estado - mal entrei, a casa soou-me estranha e familiar, mas será mesmo?

terça-feira

ama y haz lo que quieras

"nenhum ser humano é igual à sua retórica"
"a importância de distinguir a identidade sexual psíquica de um indivíduo e o seu objecto de desejo sexual"
sobre o desejo, a analogia: "se estamos talhados para possuir uma linguagem, não estamos desenhados para uma linguagem particular"
"a diferença de ser humano face ao resto dos vertebrados significa ser capaz de escolher maior número de respostas face a um mesmo estímulo"
e a frase que faz sorrir: "o órgão sexual de maior extensão é a pele"
tudo envolto em "ama e faz o que quiseres" - princípio que deveria presidir a essa "revolução emocional pendente cuja primeira reivindicação é o direito à mutabilidade, o direito a estar, a sentir e sentirmo-nos, de diversas, variadas e novas maneiras"

["lesbofobias" é a tese de olga vinuales, uma antropologa catalã. o título do post é de um romance que ela cita no livro, no qual desenvolve o conceito de identidade como um processo.]

segunda-feira

still light, still night*

*um disco que é mais do mesmo, por isso, muito reconfortante. foi o meu mais recente meio-acto de "consumismo compulsivo". o outro meio é "tempos interessantes"- aprende-se muito com a história e ninguém guia a viagem como eric hobsbawn.

quinta-feira

taste me

a obsessão pela clareza. datas, como gosto de datas! decisões em datas. o melhor e o menos bom. cruzar personalidades, trocar papéis. aferir o que o lado esquerdo adivinha. só depois, o racional juízo lógico. ... a lógica é uma batata.

quarta-feira

sábado

testigos

DEPRAVADOS
DADME
AMOR

(bcn set.07)

HAY QUE
BESARSE MÁS!

(bcn abr.09)

quinta-feira

fraquezas

comovo-me com as declarações de amor inscritas nas paredes dos prédios.
"miguel= ana amo-te"
o amor concentrado numa equação simples. A declara-se a B. coisa linda, límpida, irrefutável. o bem-querer escarranchado no testemunho alheio. a paixão exposta como uma declaração de princípio. mudem-se os nomes, então. quem não gostaria de ver o seu, assim escrito, travar-se de razões para resistir ao tempo, numa parede da cidade?

segunda-feira

malgré tout

escolher o que se diz e o que se omite. falar claro. não ter medo. engavetar o que não está resolvido. calar as dúvidas e sossegar a ansiedade. esperar por um sol luminoso. aquecer as moléculas de água, todas. envolver o corpo por calor moderado. passar a limpo as ideias. passar a pano as nódoas. perfumar discretamente o som. sentir uma brisa que liberta a pressão. pôr uma cancela no lugar da porta blindada. abrir todas as janelas. sorver as correntes de ar. avançar prudentemente. saber reconhecer um precipício. cuidar da limpeza do caminho. dar uma volta sob o céu. tornear os relevos. caminhar.

sexta-feira

poemas de b. brecht

"Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de
hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem
sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural
nada deve parecer impossível de mudar.”

(...)

“Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
É da empresa privada o seu passo em frente,
seu pão e seu salário. E agora não contente querem
privatizar o conhecimento, a sabedoria,
o pensamento, que só à humanidade pertence.”