sábado

dossiê aborto

se não houvesse tantos assumidos hipócritas bem sucedidos e, sobretudo, com poder, nem falávamos deste assunto. assim,
o tema é cíclico e a enxurrada de piedadezinha também, como bem se explica neste post.

memória de futuro


quinta-feira

onde chegamos!?!

eis o instante que levou a directora da Opera de Berlim a cancelar um espectáculo, como medo de represálias de fanáticos islamistas.
é uma decisão controversa, que já foi criticada por especialistas islâmicos e pela chanceler Angela Merkel.
mas é também um significativo exemplo do nosso estado anímico, movido a auto-censura...

cinco interlúdios musicais

pink

cat power

beth orton

quarta-feira

paixão zen


quando te sinto frágil, mais te amo
mas se te sinto longe, logo me arrependo
nunca o entrementes foi confortável

não tenho certezas sobre o amor
nem dúvidas sobre o que sinto

terça-feira

Meta(morfoses)


1. aprender a falar
2 começar a poupar muito
3 documentar-me obsessivamente

ps: ...e deixar de fumar

segunda-feira

p.r. china (lll)

cheirar um pouco da china, experimentar sentir shangai, foi possivel graças a uma alemã que conhece aquela terra e essas gentes como ninguém.
obrigada, sigrid! essas são realmente the last frontiers
voltarei um dia, porque há tanto para descobrir; só nao sei quando.

(agradecimento extensível a quem me mandou lá em trabalho e a quem nos convidou)

p.r.china (ll)

1)
vibrante, fascinante, 'sedutora' - assim é shangai.
ao lado da arquitectura mais surpreendente do mundo vivem "ilhas" a que chamaríamos de pobreza extrema - habitações sem casa de banho, cozinha na rua, um quarto de dormir - botecos onde se vende comida acabada de fazer em plena rua, numa mistura estonteante de odores e fumos, ao lado de vendedores que estendem no chão o peixe e o marisco, ou os legumes e as frutas frescas, ou quinquilharia avulsa.
estes "becos" tradicionais desaguam directamente em enormes ruas, onde se concentram as sedes das maiores multinacionais ou nas que albergam os estabelecimentos com todas as marcas de pronto-a-comer que o mundo ocidental inventou.
percebe-se que os chineses nao temem a globalizacao: fazem-na valer a seu favor, ja sabíamos. respondem com a adaptacao do nome de marcas famosas e a contrafação legal, com produção imbatível e com uma horda de consumidores de que o mundo ainda não tomou consciência.
ali, ninguém tem pressa.

2)
a porta da pizza hut, nao muito longe do peace hotel, que ja foi hotel mao, dezenas de jovens chineses esperam que a casa abra. é domingo e as ruas de comércio fervilham com turistas, em grupos barulhentos - praticamente só turistas chineses - vindos de outras partes para ver a grande shangai: a cidade da expo 2010, a que tem o prédio mais alto do mundo, o comboio mais rápido e seguro, constroi a maior ponte do mundo (mais de 30 kms) e ostenta um ritmo de crescimento e modernidade incomparável.
shangai vive, nos últimos doze anos, uma acelerada transmutação da paisagem. a modernização da cidade e o seu cosmopolitismo assimilam a conservacao de todos os templos e hábitos de uma china pré-revolucao, quase medieval. shangai, centro urbano famoso nos anos 20 e 30 do século XX, recupera o tempo -conserva hábitos e comunidades - e toma lugar na vanguarda urbana.
e, ali, ninguém tem pressa.

p.r. china (l)


por muito que vivamos, nunca vivemos o suficiente para conhecer tudo o que merece ser visto.
um dia, nao tao distante assim - creio - compro um bilhete de ida e mudo para la.
nao ha melhor sitio no mundo para conhecer o futuro que nao vamos viver.
nao ha outro lugar com tantos contrastes pacificos e sedutores.
ha vagar para olhar as coisas tao (des)interessadamente e deixar o tempo fugir, sem ter vontade de o agarrar.
la, o sol nasce primeiro e anoitece mais cedo; ha sorrisos a rodos e um linguarejar incompreensivel, mas, ainda assim, sente-se que viver tem outro significado.
deseja-se sorte e isso basta.

quinta-feira

mesmo quando se deseja partir

porque protelamos tanto em fazer a mala...?!

quarta-feira

recado amistoso

life is short,
so
live, love, learn,
to leave a legacy

[diz S. Covey; e é o que vos digo, I. e K. - cada uma a seu modo, merecem um sinal de ânimo]

terça-feira

homofobia

o DN noticia a agressão a dois rapazes na tarde de domingo, nos Armazéns do Chiado, em Lisboa. O caso só se pode "explicar" porque os dois se beijaram; por perto, um grupo homófobo não gostou do que viu e resolveu "intervir"...ainda não lhes aconteceu nada.
Um beijo entre gays devia ser hoje um comportamento público natural e urbano. tem a ver com o estrito campo da liberdade pessoal de cada um. tem a ver com a evolução das sociedades.
porque continuamos a ser tolerantes com quem não tolera a diferença?

Graça Morais

pode ser uma heresia intelectual mas, para mim, Graça Morais é a maior pintora portuguesa. ninguém retrata, como ela faz, o povo e, sobretudo, as mulheres. ninguém, como ela, reproduz a cores ou a carvão, a nossa alma.
a boa notícia é que Graça Morais continua a trabalhar no mesmo sentido - agora a captar os rostos "em situação de catástrofe" - e em breve terá uma exposição antológica em Lisboa*.
não sei quantas vezes vou voltar para ver a sua obra, sempre com a ideia de que um dia tenho de falar com ela, tenho de a ouvir, e tenho de comprar um quadro dela.
é uma pequena e inofensiva obsessão minha.
apreciar a alma humana vale bem a pena.

*a partir de 24 de Outubro, numa iniciativa dos Serviços Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

domingo

as mentiras piedosas e outras

mentir intencionalmente, por uma boa causa.
para contornar a estupidez. uma vez, sem exemplo.
vale a pena mentir assim.

mas também há mentiras torpes e profundas. sem piedade nenhuma.
no guia do quotidiano é preciso saber distingui-las.

sábado

Ségolène e nós

em dia de Sol, mantenho-me fiel ao EL Mundo e à revista Yo Donna, junto-lhe o Le Point (sobre 'a cólera das classe média em França') e a Time. o resto da imprensa portuguesa,vale a pena folhear em passo rápido.
Na Time de 18 de Setembro, "SEGOLENE ROYAL SHAKES UP FRANCE -Porque é que temos de ser tristes, feios e chatos para irmos para a política?" - pergunta ela, numa pose nada estadista mas muito senhora de si.
Ségolène é o fenómeno político mais interesante da Europa, desde... Zapatero?
para mim, talvez mais.
mesmo as posições mais contestadas que assume - não apoiar o casamento homossexual enquanto a sociedade, no conjunto, não lhe for favorável - não lhe retiram mérito.
ela própria não confere ao casamento qualquer valor intrínseco - como eu. vive há largos anos uma união de facto, da qual tem filhos e uma vida própria. é coerente a posição que assume nesse assunto para uma candidata à chefia do Estado.

sim, também é bonita, vaga por vezes, e faz a apologia de algo esquecido, pelo menos cá, desde os tempos de M.L. Pintasilgo: democracia participativa.
desejo que seja candidata e depois eleita Presidente da República em França. se o mesmo acontecer em 2008 nos EUA com Hillary Clinton, como sucede no Chile com Michele Bachelet, o mundo começará a ser diferente.
claro que podem acusá-las de serem bonita de mais (Ségolène),talvez lésbica (Hillary) ou demasiado esquerdista (Michelle)... isso é incontornável.
mas, passo a passo, o caminho faz-se caminhando.

elementar


os gays são os melhores amigos das mulheres,
mesmo que elas não sejam gay.

[começou a semana do Festival de Cinema Gay e Lésbico, em Lisboa]

sexta-feira

como salazar estava errado


sou o que não pareço
e não pareço o que sou

então, porque me engano tanto,
quando a intuição não funciona?

celebrar

Há entrevistas com Juliette Binoche hoje, no suplemento Y do Público e, por João Lopes, no suplemento 6ª do Diário de Notícias. Juliette Binoche é uma das actrizes que amo - sigo-a desde “Rendez-Vous”. É uma rapariga da minha geração... Mesmo sem link disponível, vale a pena ler essas conversas. A João Lopes explica que nada mudou com o Óscar que ganhou com “O Paciente Inglês”, fala do último filme (“Alguns dias em Setembro”, estreia na realização de Santiago Amigorena) e explica que não se considera uma pessoa religiosa, mas sim espiritual.
“O espiritual tem a ver com o sagrado, com a ideia de que tudo à nossa volta é sagrado – a mais pequena partícula, cada célula, tudo é sagrado. Daí, creio, a minha necessidade espiritual da celebração” (…)
“Celebrar não depende necessariamente de um ritual pré-estabelecido, mas de uma decisão que nasce de alguma forma de cumplicidade. Em boa verdade, em qualquer momento podemos decidir que a celebração faz sentido – agora, aqui.”


[É a segunda vez que a palavra ‘celebração’ me aparece esta semana. Nada melhor que celebrar.]

mulher, mujer, femme, woman...

...ver desenhá-la, em escassos minutos, aqui.

[proposta recolhida noutro blog]

concentrado de tempo

tempo para mim, primeiro


e para ti, depois


quarta-feira

paradoxo

ganhar o dia
com notícias mais pesadas, porque requerem ainda mais esforço e energia:
uma proposta extra para falar do que sei,
uma inesperada viagem de trabalho,
e o regresso da chuva, que pedi, mesmo sem se ter feito anunciar.

há horas felizes. acredito nisso.

terça-feira

anti-crença

não acredito...
no pai natal, nos milagres beatos, na sorte grande, no destino divino, nas metas profissionais, nos objectivos de vida, nos poderes afrodisíacos da Scarlett Johansson, nem na representatividade dos partidos...
nem creio em ligações sem um novelo de afectos e emoções.
vá lá... reconheço nexo no sexo.

constatação

não sou um ser gregário
mas um animal de hábitos.
alguns, demasiado repetitivos.

domingo

das piores formas de violência

as que, a coberto da tradição, são exercidas sobre as mulheres: a excisão e um outro costume africano, a de 'passar a ferro' os seios das jovens. é um drama que vitima 1/4 das mulheres camaronesas e começa a ser denunciado. "para afastar o desejo dos homens, as mães esfregam os seios das filhas adolescentes com pedras quentes - uma prática secreta". é uma forma de apagar os sinais da puberdade e de alegadamente contrariar o elevado número de gravidezes precoces. além do risco de cancro e de sequelas psicológicas, esta prática impede muitas jovens mães de aleitarem. esse ritual bárbaro está a ser combatido pela denúncia do "réseau national des associations tantines*"

*mães jovens solteiras

(d)o melhor Almodóvar

uma história de mulheres, comovente e hilariante, este 'voltar' de Pedro Almodóvar. impagáveis beijinhos, cumplicidades femininas e desvarios mordazes:
"ai! mujer! te gusta pan con pan? pois que te cobro lo mismo que a los outros..."
...é: "os fantasmas não choram" mas dão excelentes argumentos!

[quem me dera que tivéssemos um cineasta capaz de sentir a nossa alma como ele o faz]

sábado

beleza


"O mundo é portátil
Pra quem não tem nada a esconder
"


[Marisa Monte]

sexta-feira

sonhar é pressentir

adoro sonhar - mesmo quando acontece em pesadelo: é só susto, não real.
nos sonhos não há cenários imperfeitos.
amar é tranquilo, a paixão é um ciclone.
no sonho emenda-se o que se fez mal, encontra-se o que não se achava.

há sonhos premonitórios. premonições que foram sonhos.
são o espaço do sexto sentido, onde tudo faz sentido.
hoje, por exemplo, sonhei contigo. foi bom.
e a intuição aconteceu.


[dispensa-se o dicionário]

histórias incríveis

"Todos, em situações-limite, quando expostos a um perigo de morte, nos tornamos frios. A necessidade de sobrevivência serve de mata-borrão para todos os sentimentos."

Palavras do psicólogo Eduardo Sá, ao Jornal de Notícias, onde comenta a entrevista da jovem austríaca que esteve sequestrada oito anos.
Um resumo da entrevista pode ser lido
aqui. Há realmente muito para explicar e compreender: durante os anos de cativeiro e agora também - mesmo sabendo que
"Um em cada quatro europeus tem problemas psicológicos"

ultimatum quase prece

peço que o frio regresse e com ele as manhãs nublosas e frescas, de vez em quando nevoeiro e chuva-miúda, e o sol amistoso de fim de tarde;

peço um pouco mais de agilidade no(s) trabalho(s), incluindo o dos transportes públicos, para termos um tempo livre solto e suficiente para tudo;

peço que o betablogger se apresse nas actualizações técnicas porque, isto de ser cobaia para um blogger melhor, está a deixar-me ligeiramente apreensiva...

quinta-feira

curiosidade anelar

conta-se aqui o significado dos dedos com anéis.
da aliança de casamento ao anel no polegar, ou à joía brasonada no dedo mínimo.

quarta-feira

demasiado triste e cruel

o assassinato da investigadora portuguesa na Amazónia.
não é preciso conhecer uma pessoa para certas histórias, bem reais, nos toldarem a emoção.

terça-feira

as sete maravilhas do mundo

das sete maravilhas do mundo, só resta uma: as pirâmides do egipto (por mim, preferia os jardins suspensos da babilônia).
agora, um suiço resolveu que a humanidade inteira deveria inaugurar este milénio com a escolha de novas maravilhas e sufraga a ideia em
www.new7wonders.com
há anos que as pessoas se embasbacam com as maravilhosas construções humanas. a New Wonders Foundation fez uma lista de 77 candidatas a novas maravilhas, lista já reduzida a
21 finalistas. destas, depois de uma votação multimedia e à escala planetária, vão sair as novas 7 maravilhas do mundo, a anunciar globalmente, a partir de Lisboa, em 7/7/2007.

segunda-feira

a propósito de ficção...

[insisto: a ficção é o real mais inverosímil]

folheando um jornal encontram-se histórias como a docarteiro italiano que tinha em casa 2,5 toneladas de cartas. O homem, de 52 anos, deixou de entregar a correspondência há nove meses. Durante 25 anos dedicou-se ao seu trabalho como carteiro dos correios italianos (…) De acordo com a Ansa, o homem não conseguiu até agora explicar o seu comportamento (…)”.

há algum conto, romance ou novela onde um caso improvável como este tenha sido sugerido? não é, tantas vezes, o inusitado do real que suscita a sua exploração ficcional?

domingo

miúda valente

é ainda uma jovem na modalidade que pratica: triatlo (natação + ciclismo + corrida). Vanessa Fernandes, portuguesa e atleta do Benfica, era já a número um na Europa. é agora vice-campeã do mundo.
[mas, no mundo desportivo, o que interessa é a confusão que vai pelo futebol nacional ou o fim de carreira do milionário tenista Andre Agassi...]

sábado

para a personagem*

ficcionar é juntar peças do real que, eventualmente, não se tinham ainda encontrado

*carrie

deambular pelos 'acampamentos'

encontrei ali a síntese de uma ideia recorrente:
"estou saturada do acampamento em que vivo".

dito assim, pode remeter para a necessidade de obras em casa ou para a urgência de arrumações domésticas.
mas também abre a hipótese de, na vida, estarmos num "acampamento"...
o que, pelo carácter transitório implícito, até pode ser agradável
ou denunciar uma grande confusão de emoções, sentimentos, gostos, desejos, vontades, sonhos, pesadelos,...whatever!