quinta-feira

o recado

a marisa é minha irmã de alma. é linda de morrer, uma pessoa inteira. na troca de 'intuições' a gente entende-se. como jornalista é uma profissional íntegra. neste aspecto, fui um bocadinho 'madrinha'. somos amigas, já se viu. seremos sempre, porque ambas temos um canto do coração reservado para a outra.
sou, portanto, completamente suspeita.

ela tem tido em mãos um projecto. chama-se "um minuto de silêncio" e é um livro, com 60 depoimentos inéditos de personalidades variadas. as receitas revertem para a associação portuguesa de surdos. o projecto do livro deu uma trabalheira, mas a marisa, além do trabalho que tem diariamente, já anda com novas ideias...
a miúda não pára. e a vida dela também deu uma grande volta no último ano.

o recado é este: o livro é lançado na próxima segunda-feira, pelas 19 horas, na mãe de água, em lisboa. terá depois outras sessões de apresentação. quem quiser ir, apareça. mas, sobretudo, comprem o livro e façam assim aquilo em que a marisa acredita: com pequenas acções mudamos o mundo e melhoramos nós próprio/as.

dúvida que quando assalta é pior que dívida

"Porque nos apaixonamos pelas pessoas erradas?
Procura-se:
Pessoa infiel adorando riscos, prometendo múltiplas traições, giro(a), egoísta e egocêntrico(a), muito impulsivo(a), com raivas inexplicáveis, profissão pouco definida ou uma vocação tirânica, pode ter uma causa, uma seita, com vicios secretos e públicos, comportamentos de risco variados, capacidade de com o olhar fazer o outro sentir-se único, arrependimentos constantes com desejo sincero de mudança, com duração dependente da presença do outro, pode ser casado(a), não desejar compromisso, não estar preparado(a) para compromissos ou ter uma orientação indeterminada.
Promete-se:
Fidelidade canina, culpabilização constante, abegnação, espírito de sacrifício, choros múltiplos, ansiedade e controle, relação incondicional “até que a morte nos separe”, sustentação da família “casa, roupa e cama lavada”, pode não haver sexo, carinho em quantidades desejáveis, não é preciso prometer nada, pode ser infiel, e sedutor(a) sempre que estiver na presença dos outros.

Parabéns!
Esta relação está condenada a ser temporária mesmo que seja até que “a morte os separe”, com “aureola” de santidade para uns e objecto de desejo para outros, ingredientes necessários para a manutenção de uma relação que os outros desejam mas não querem na sua casa."

tema para uma conferência n'A Barraca, sexta, 30 de Março, pelas 21h30.

há cartazes com o anúncio, pelas paredes de Lisboa.

[prevê-se enchente!]

domingo

o sonho dela

a primeira parte é pesada, funda e arrastada pelo cansaço, quando não mesmo pela exaustão dos sentidos.
passam umas horas e começa um outro: subliminar, cheio de significantes e significados, o inconsciente individual em toda a sua pujança.
por exemplo, num dia escreves um post absolutamente trivial onde tocas tempos profissionais idos. no segundo sono dessa noite vês-te lá, não então mas hoje, um realismo incrível, as tuas defesas e os teus mecanismos de adaptação em pleno, pessoas reais, só os cenários imaginas, a vida tal como ela é.
o subconsciente em todo o seu esplendor!
pergunto-me se não valerá a pena citar ou simplesmente recordar, com razoável intensidade, os lugares onde fomos felizes e as pessoas que nos amaram de verdade, porque no sonho, pelo menos aí, podemos reviver esse bem-estar e nunca a realidade nos trai.

sábado

quem é amiga, quem é?

... seguros para mulheres, contas bancárias só para mulheres, taxis só para mulheres (em londres), até hotéis só para mulheres (não neste nosso país, é claro), mas a grande revolução, minhas amigas, são mesmo os ginásios só para gajas!... onde só entra mulher, de qualquer idade e qualquer condição...
chegará o dia em que haverá um em cada freguesia (?!)... é só questão de procurar - aqui ou aqui.
não sei de quem foi a ditosa ideia, provavelmente de uma gaja!

resumindo: ginásios onde só entram mulheres têm todas as vantagens e nenhum dos inconvenientes ...

terça-feira

domingo

com dedicatóri@

(war) is not the answer
the answer is within you

love...

sexta-feira

sonho lúcido

acordou a chorar, angustiada com o significado do sonho, lágrimas tranquilamente silenciosas, a escorrer pela cara...

antes estivera a falar com ela, frente a frente, e ela, com o sereno sorriso do costume, a dizer-lhe que afinal não tinha morrido, fora um equívoco... enfim, não, não tinha morrido, podia garantir-lhe isso, ainda que estivessem em sonho.

(3 meses depois)

quinta-feira

o outro nome do amor

é tão importante gostar de alguém, como haver alguém que goste de nós.
o ideal, provavelmente, é que ambos os sentidos se encontrem.

um dia com_sentido

a minha homenagem a Olympe de Gouges, que morreu guilhotinada por denunciar que a revolução (francesa) esquecia as mulheres.

[romance biográfico desta feminista, por Maria Rosa Cutrufelli , "A mulher que viveu por um sonho", Editorial Presença]

quarta-feira

há dias assim...

...em que nos sentimos
... fechad@s do lado de fora

domingo

contagem decrescente


para apreciar os arcade fire, uma das melhores bandas. 3 de julho em lisboa, no festival sbsr - até eu vou...



e para a 4ª lesboa party... a 5 de maio ? (uma festa mais para gregári@s)

adenda ao post anterior

para se perceber o contexto do pretenso "feminismo ideal" vale a pena espreitar o elenco de pressupostos contrários ao que vigora, sugeridos aqui , na sequência de um retrato realista feito também aqui.

quanto ao feminismo, o que me tira mesmo do sério são as mulheres e homens que dizem que ele não faz sentido, que as gajas são umas 'cabras' ou que as feministas são mal resolvidas sexualmente (para não usar o vernáculo da linguagem...).

sábado

num mundo 'perfeito' elas não existiam

não me importava nada de ter postado o que ela escreveu: parábola sobre o que nos desvia afinal, nós, as que temos a mania dos feminismos - adoração aos gajos
[só agora o li, leiam-no também... pois mas mais vale tarde ...que é sempre a tempo!]

adeus, alface

(quanto aprendi e ri contigo?! ... mas tinhas mesmo que pregar esta partida?)











gajos que até na morte escarnecem da vida!
porque, em vida, nunca se levam demasiado a sério.