quarta-feira

"my time will come"

a islândia tem uma primeira-ministra. é, curiosamente, a política mais popular do país. johanna sigurdardottir foi sindicalista, activista social, e recentemente ministra dos assuntos sociais.
na islândia em bancarrota, não se fala do facto de johanna, de 66 anos, ser casada com uma mulher. lá, a vida privada dos políticos não é do interesse público, o que ajuda a perceber que o facto de a primeira-ministra ser lésbica assumida não ser 'notícia' .
em 1979/1980 portugal também teve uma primeira-ministra.

por cá, jamais um político assumiu a sua orientação sexual não normativa. se a assumissem com naturalidade choveriam certamente alguns 'petardos' homofóbicos. mas talvez fosse o carácter da pessoa e a sua acção política a determinar boa parte da opinião pública, conferino ao direito à diferença uma naturalidade igualitária. o exemplo vem de cima.

1 comentário:

orquídea disse...

Boa noite.
Concordo com a observação, no entanto, creio que por cá não escaparíamos a um "Opinião Pública" num qq canal da TV. E isto revela o quão distantes estamos da Islândia...

Beijo