terça-feira

aborto (4)

pode a televisão cheirar a mofo?

... pensava que a televisão não podia ter cheiro, pelo menos para já!
enganei-me. estava a passar o telejornal da tvi e lá ouvi o anúncio de uma 'grande reportagem' (sic! apesar de inacreditável...) sobre mulheres que eram mães depois dos 43 anos!
o assunto, pensei..., é interessante e a reportagem é... grande! pelo caminho tive de gramar a audição de uma meia dúzia de peças avulsas sobre outras coisas... até que chegou a reportagem sobre a apresentação do 'moderno' movimento 'não, obrigada' (?) ao referendo sobre ivg. logo depois surge, justamente, a tal 'gr' sobre duas mulheres que foram mães depois dos 40 (tudo num alinhamento casual!): uma, teve filhos ao longo de 20 anos, num total de 8, e obviamente a reportagem não lhe perguntou se pertencia à opus dei... e a bibá pita, que desistiu de ser não sei o quê de sonho para fazer a sua quinta cesariana, e cometeu a proeza de não fumar nem beber durante a gravidez!
de repente, a tvi tinha simultaneamente cheiro - a bafio, por causa da beatice da conferência de imprensa do 'não, obrigada' (em trabalho, acompanhei-os no anterior referendo, sei do que falo)- e mostrava um cenário apocalítico de exibicionismo masoquista. arre! e ainda dizem que a igreja já vendeu a tvi...

nota: nada tenho contra ser mãe depois dos 40. obviamente!
qualquer mulher que pense só pela sua cabeça, sem outros intuitos, sabe que o aborto é sempre um último recurso, extremo e desesperado, para encontrar uma saída para 'um problema' de decisão dificílima! é por isso que esse é um assunto absolutamente privado e de saúde pública. o que está em causa é só saber se a hipocrisia vigente (sobretudo porque mete tribunais ao barulho) passa a ser delimitada no tempo para lá das dez semanas...

1 comentário:

Susana disse...

A televisão pode e cheira a mofo, porque infelizmente continua a pactuar com a hipocrisia que se instalou neste país medíocre...
Beijinho, grande..