segunda-feira

intuição (2)

do natal, esse 'evento' que concentra quase todo o mundo por estes dias, podia dizer que "passo!"
[dispensava-o bem, não se impusesse ele pelas contingências...]
há muitos anos, trabalhar no natal era-me tão comum como levantar cedo ou deitar muito tarde: em tudo era mais simples gerir o quotidiano.
são dias pré-festivos com uma enorme concentração de coisas detestáveis: compras e mais compras, consumos, correrias, excessos vários, sorrisos forçados, troca de presentes protocolares, almoços e jantares de empresa, muito amigo-secreto, traje imposto a preceito (collants, sapato alto e maquilhagem), chuva a rodos, gripes que atacam, o supérfulo, a solidão, as memórias, o protocolo, e a miséria impotente.
tudo, num cenário de muitas luzes, a acender e a apagar, com uma playlist universal de sinos e trenós, sempre nos mesmos acordes...

1 comentário:

Susana disse...

Uma época que tambem não me fascina...
Beijinho, grande..